Francisca se apaixonou pelas fotos da gatinha no site do abrigo, e achou sua aparência muito engraçada e incomum, o que a fez ligar pedindo para adotá-la.

Os animais são separados entre os que têm raça e os que não a têm. Uma invenção humana para aumentar ou diminuir o valor de vidas a partir de sua aparência física, sem se importar para os sentimentos ou personalidade dos bichinhos. Um gato de raça é considerado mais “bonito” do que um que seja “misturado” ou vira-latas.

Essa forma de dividir os animais domésticos cria profundos problemas na forma como nos relacionamos com eles, deixando subentendido que são seres inferiores, podendo ser tratados como objetos. Um exemplo disso é o comércio de animais, que lucra com ninhadas de bichinhos considerados “de raça”, valorizando uns em detrimento de outros.

É a mesma coisa que dizer que está tudo bem em ganhar dinheiro com a prenhez e posterior venda de filhotes, é a mesma coisa que aceitar que uns animais valem mais que outros, aumentando as chances de os vira-latas serem abandonados. Concordar que a aparência de qualquer ser vivo deve corresponder a um ideal de beleza imposto por nós é diminuir a vida a algo banal e insensível.

A jovem Francisca Franken estava navegando no site de um abrigo de animais de sua cidade, quando se deparou com uma gatinha diferente.

O rostinho achatado, os traços duros e os olhinhos tristes fizeram com que a menina se fixasse naquele animal. Em entrevista ao The Dodo, ela conta que se apaixonou no instante em que a viu.

veja tambem :

No início, claro, aquele rostinho incomum provocou boas risadas, já que as fotos eram engraçadas e ela nunca havia visto um animal como aquele. Francisca imediatamente decidiu escrever para o abrigo, perguntando se a gatinha ainda estava disponível. Esperar pela resposta a deixou nervosa, ela conta que quase não conseguiu pregar os olhos naquela noite.

No dia seguinte, quando o abrigo lhe respondeu, perguntou se ela tinha realmente interesse em Bean. A senhora que trabalhava no abrigo, aparentemente, não estava acreditando que era por aquela gatinha que ela estava se candidatando à adoção, afinal ninguém jamais deu atenção para ela.

O principal medo de todos no abrigo era que ela simplesmente desistisse da adoção em algum momento, porque isso só faria a pequena sofrer mais ainda.

Antes de ser resgatada pela instituição, Bean era completamente negligenciada e vivia em um parque de trailers, sofria de uma grave infecção nos olhos e várias outras doenças, além de não saber o que era receber cuidado e amor.

Bean era uma gatinha bem pequena, com perninhas atarracadas, rabo curto e rostinho achatado.

Francisca chorou de emoção, quando finalmente se encontrou com o felino, era o momento esperado havia dias, a emoção tomava conta de seu corpo. Aquele momento conseguiu ser mais especial do que imaginava.


Enquanto muitos no abrigo disseram que Bean era muito feia, Francisca pensou exatamente o contrário: era a gatinha mais linda que já vira! Ela imediatamente foi levada para seu novo lar. No início, não desgrudava de sua dona, demonstrando toda gratidão e amor por finalmente ter uma família.

veja tambem:

Francisca revela que Bean tinha medo de ser abandonada, por isso não saía de perto, sempre demonstrando muito amor.

Com o passar do tempo, quando percebeu que não precisava exagerar nos afetos, porque não seria abandonada, a pequena começou a ser mais atrevida, mostrando seu lado verdadeiro. Aquilo fez a relação das duas melhorar ainda mais!

Bean dorme na cama de sua dona todas as noites. Também ama azeitonas, basta sentir o cheiro para ficar completamente maluca. A primeira vez em que viu sua dona comendo um lanche com azeitonas, Bean correu até ela, bateu em sua mãe e roubou rapidamente a azeitona que caiu, levando-a para comer debaixo do sofá. Francisca sabe que, em pequenas quantidades, é um alimento seguro, por isso dá algumas para ela como recompensa.

Francisca não consegue colocar em palavras o quanto ama Bean. A gatinha significa o mundo para sua nova dona, que sente que precisa lhe dar todo o amor que puder.

Que linda história!

Comente abaixo o que achou e compartilhe-a nas suas redes sociais!

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido do PROTETOR DOS ANIMAIS é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. APOIE O NOSSO TRABALHO COM UM DOAÇÃO. clique aqui