Por 7 anos muito felizes, um cachorro chamado Fulmine compartilhou sua vida com o seu humano chamado Leonardo que é pai da Sara Sechi. Os dois eram grandes amigos e moravam no interior de Itália.

A amizade dos dois era linda de se ver, dava para ver nitidamente como um gostava muito do outro.
“Eles eram muito afetuosos”, comentou Sara ao portal The Dodo. “Eles estavam sempre se abraçando.”

Infelizmente, o tempo não foi a favor a eles, pois o Leonardo estava enfrentando uma luta contra uma doença e infelizmente faleceu. Deixa o seu grande amigo Fulmine, mas o amor entre eles continua muito vivo.

Enquanto o Leonardo estava no hospital, a família cuidou do cãozinho Fulmine, onde viram o quanto o cachorrinho estava sentindo a falta do seu melhor amigo.

“Cada vez que um carro se aproximava, Fulmine corria para o portão caso fosse meu pai”, disse Sara.
Mesmo depois que Leonardo foi enterrado, o cachorro nunca parou de procurar por ele.E então ele finalmente o encontrou.

No dia seguinte do funeral do Leonardo, a Sara e o seu filho foram até o cemitério para levar flores para o seu túmulo. E quando eles chegaram, eles ficaram surpresos ao descobrir que outra pessoa (no caso um animalzinho) estava lá para visitar ele também.

Era o cãozinho Fulmine.

Incrivelmente, Fulmine havia caminhado quase 3 km desde sua casa, sozinho, chegando ao local onde Leonardo foi sepultado.

Ele parecia entender que Leonardo, a quem ele não via há semanas, agora estava lá.

“Não esperava encontrá-lo lá”, disse Sara. “Ele não tinha estado no funeral. Não tenho ideia de como ele sabia para onde ir. ”

O cãozinho finalmente conseguiu encontrar o seu humano, ainda que apenas em espírito.

O mais impressionante que esse dia não foi o último dia que ele visitou seu humano. Nas outras semanas os vizinhos relataram ter visto o cãozinho indo e voltando do cemitério para visitar o seu melhor amigo que havia falecido.
“Achamos que ele vai lá todos os dias”, disse Sara.

No entanto, como o cãozinho Fulmine sabia onde encontrar Leonardo permanece um mistério.

“Gosto de pensar que ele é guiado por seu amor por meu pai. Ou que meu pai o levou até lá “, disse Sara.” É uma daquelas coisas estranhas sem uma explicação real. ”

Compartilhe com seus amigos e familiares esse cãozinho fiel ao seu tutor.